Praça Raul Soares, 85 - Belo Horizonte - MG (31) 3292-7257 (31) 9.9357-1951
ácido ursolico

Ácido ursólico

Ácido ursólico – O mundo da suplementação hoje em dia está em alta. Buscando desde apenas uma vida mais saudável até um corpo ideal e definido, surgiram uma grande variedade de produtos com diferentes benefícios para atender a uma demanda exigente.

Quando falamos em musculação, existem os suplementos mais conhecidos, que tem como finalidade principal o fornecimento de energia e aumento da força e definição muscular. No entanto, com a continuação da evolução desse segmento da indústria, novos produtos apareceram para serem alternativas ao Whey Protein, BCAA, Creatina e afins. Nesse artigo, vamos falar sobre o ácido ursólico, porque essa substância despertou tanta curiosidade para testes e como ela pode ser útil para sua construção muscular.

O que é ácido ursólico?

O ácido ursólico (também conhecido como Ursol, Prunol, Malol ou Apple Peel Extract) é uma substância encontrada em muitas variedades de plantas. Ele vem de uma família de substâncias químicas conhecidas como os Triterpenos Pentacíclicos, que recentemente foram objeto de muita pesquisa científica.

O ácido ursólico é um triterpenoide pentacíclico amplamente encontrado em ervas, folhas, flores e frutos. O grande interesse neste composto bioativo está relacionado aos efeitos benéficos na saúde humana devido às atividades antioxidante, antimicrobiana, anti-inflamatória, hepatoprotetora, imunomodulatória, antitumoral, quimiopreventiva, cardioprotetora, anti-hiperlipidêmica e hipoglicêmica, entre outras.

O ácido ursólico pode aumentar a resistência da barreira da pele a irritantes, prevenir a pele seca e pode ser adequada para desenvolver produtos antienvelhecimento. O desenvolvimento de nanocristais e drogas baseadas em nanopartículas poderia reduzir os efeitos colaterais de altas doses de ácido ursólico em organismos, e aumentar sua solubilidade limitada e baixa biodisponibilidade desse ácido, o que limita o potencial deste bioativo e de outras aplicações. Aplicações comerciais patenteadas em relação a usos cosméticos e farmacêuticos de AU e seus derivados são pesquisadas.

Nos últimos anos, eles se tornaram o assunto de muitas publicações por causa de suas várias atividades e baixa toxicidade. Muitos efeitos benéficos, tais como efeitos antioxidantes, antimicrobianos, anti-inflamatórios, anticancerígenos, anti-hiperlipidêmicos, analgésicos, hepatoprotetores, gastroprotetores, anti-úlcera, anti-HIV, cardiovasculares, antiateroscleróticos e imunomoduladores têm sido relatados.

Vários trabalhos demonstraram que o ácido ursólico também pode estimular o crescimento muscular, reduzir o ganho de gordura e aumentar a recuperação da barreira de permeabilidade epidérmica na pele, por isso foi proposto como agente terapêutico da pele e poderia ser introduzido em suplementos esportivos, cosméticos e produtos de saúde. Durante a última década, os artigos publicados relataram o isolamento e purificação destes triterpenóides de várias frutas, plantas e ervas, as modificações químicas para preparar derivados mais eficazes e solúveis em água, a pesquisa farmacológica sobre seus efeitos benéficos, os estudos de toxicidade e os resultados usos clínicos desses triterpenóides em várias doenças, incluindo quimioterapias antineoplásicas.

Os efeitos dos triterpenos pentacíclicos nas vias de sinalização dos mediadores pró-inflamatórios e dados de modelos animais experimentais e ensaios clínicos e a atividade antitumoral e quimiopreventiva e seus principais efeitos antitumorais e propriedades quimiopreventivas foram revisados. Mais recentemente, os efeitos terapêuticos da AI, tanto na prevenção e tratamento dos distúrbios de saúde, quanto nos seus mecanismos de ação foram compilados.

A presente revisão tem por objetivo apresentar as propriedades químicas e biológicas do ácido ursólico, sua ocorrência e fontes naturais, as tecnologias convencional e inovadora de extração e os produtos comerciais e patenteados formulados com este composto.

Fontes de ácido ursólico

O ácido ursólico pode ser isolado de várias plantas medicinais, sendo a família Lamiaceae uma das fontes mais conhecidas de triterpenos, com teores de até 2,95% de folhas de Rosmarinus officinalis, uma das fontes comerciais tradicionais. O ácido ursólico também foi identificado em uma variedade de fontes, particularmente em folhas e flores. Os ácidos triterpênicos oleanólico e ursólico foram recentemente detectados pela primeira vez em cogumelos silvestres comestíveis e em alguns frutos secos comerciais.

As ceras cuticulares são excelentes fontes de triterpenoides com um papel na proteção contra estresses bióticos, como herbívoros e patógenos, nas propriedades mecânicas da superfície dos frutos, e esses compostos são parcialmente responsáveis ​​pelo potencial alelopático. A distribuição de triterpenos em vários materiais vegetais e o perfil triterpenoide de ceras cuticulares de alguns frutos comestíveis são compilados.

Os resíduos agroindustriais são fontes alternativas vantajosas. O ácido ursólico é o principal triterpeno na folha e no fruto do argão, este último como subproduto da indústria do óleo de argão, e é encontrado em resíduos como os da produção de suco, cascas de maçã, o descartado por -produtos de processamento de maçã ou caqui, especialmente cascas, frutos verdes e super maduros produzidos na colheita, ou seja, sabugueiro, e refinados, como sobras de alecrim obtidas após a extração do ácido carnósico. Resíduos florestais podem ser outra fonte, isto é, as cascas de eucalipto.

De onde vem o ácido ursólico?

O ácido ursólico é encontrado em um grande número de plantas e ervas. A casca de maçã é provavelmente a mais conhecida, e uma das fontes mais ricas, juntamente com as cascas de uva (que também são uma grande fonte de antioxidante Resveratrol), ameixas, muitas ervas medicinais, como a planta ayurvédica conhecida como Santo Basil (Ocimum tenuiflorum) . Também está presente em muitas ervas comumente consumidas, incluindo sálvia, tomilho, orégano e alecrim.

Benefícios do ácido ursólico

Como já mencionado nesse artigo, o ácido ursólico despertou muita curiosidade, o que resultou em testes que nos falaram possíveis efeitos que essa substância pode nos trazer. Foi constatado que esse ácido e seus derivado tem bela capacidade de suprimir crescimento de vasos sanguíneos novos, sendo algo promissor no combate ao câncer – alguns tipos de câncer precisam desses novos vasos sanguíneos para se espalhar.

Além disso, o ácido ursólico pode aparecer bem também no tratamento da diabetes. Como? Bom, de diferentes maneiras. Algo mais interessante para a gente pensar é como esse ácido pode aumentar os efeitos da insulina na absorção de açúcar.

Benefícios do ácido ursólico para musculação

Agora enfim vamos falar sobre musculação. As propriedades do ácido ursólico chamaram a atenção do fisiculturismo, muito por um fator citado acima sobre a diabetes: sua ação na insulina. Além de sua sabida relação com a regulação de açúcar, a insulina também possui efeitos anabólicos. Esse ácido se comporta de maneira parecida com a insulina de modo que acaba promovendo e estimulando crescimento muscular.

Juntamente com isso, o ácido ursólico pode agir também no controle de peso. Testes realizados em ratos, onde eles foram alimentados com alimentação rica em gordura, os que também receberam ácido ursólico comeram mais, mas ganharam menos peso. Ou seja, eles acumularam menos gordura.

Ácido ursólico: segurança e efeitos colaterais

A taxa de absorção do ácido ursólico no intestino é baixa. Uma biodisponibilidade de 0,6% foi relatada quando administrada por via oral. Isso significa que muito dessa substância precisa ser consumida para ter um efeito. Testes realizados em ratos, onde eles receberam ácido ursólico, chegaram a relatar infertilidade nesses animais por danos e fusões de células relacionadas ao espermatozoide.

Redução da motilidade dos espermatozoides também foi observada. Deve-se ficar atento também, pois existem dúvidas se o ácido ursólico, quando administrado em doses efetivas, possa causar danos ao DNA. Acredita-se que esse seja um dos mecanismos por trás das propriedades antitumorais dessa substância, mas os mesmos efeitos foram observados em células saudáveis. Por fim, e importante, não há informações sobre os efeitos do ácido ursólico em humanos. Enquanto experimentos in vitro e ensaios em camundongos se mostraram promissores, não há como prever efeitos sem testá-los diretamente.

Ácido ursólico como tomar

Não houve cálculo de dose efetiva em humanos, porque este composto não foi estudado suficientemente bem. As experiências em ratinhos foram bem-sucedidas produzindo efeitos em doses variando entre 5-200 mg / kg de peso corporal por dia. Suplementos comercialmente disponíveis são dosados dentro desta faixa.

Leave a comment