Praça Raul Soares, 85 - Belo Horizonte - MG (31) 3292-7257 (31) 9.9357-1951

Carretilha

Carretilha – A pesca é a retirada de organismos que vivem em mares, rios e lagos para diversos fins, como a alimentação, recreação, ornamentação ou para fins industriais. A prática engloba os conceitos da aquacultura, na qual os animais são retirados e passam a ser criadas em instalações apropriadas antes de ir de encontro com o seu destino final.

Com os avanços tecnológicos, a pescaria acompanhou as evoluções e atualmente existem cativeiros para várias espécies – além da pesca ser, na cena contemporânea, com os aspectos globais de aquecimento, uma forma de preservação de espécies que se enquadram no cenário de extinção.

No artigo a seguir você encontrará os seguintes tópicos:

  • A história de práticas de pesca;
  • A evolução das varas de pesca;
  • Partes da vara de pesca;
  • Carretilha;
  • Pesca em carretilhas e molinetes;

Carretilha – Tudo Sobre

A pesca é uma prática que se estende desde a antiguidade até os dias atuais. Nos tempos remotos, a pesca era fundamental para a subsistência humana. Antigamente, em regiões povoas que se localizavam nas costas marítimas, ou em beiras de rios, ou lagos a pesca era o meio de se conseguir alimentos e, por causa dela, populações sobreviveram e cruzaram gerações. Segundo pesquisadores, a evolução humana e a sua história civilizatória caminham juntas.

A história de práticas de pesca

História da Pesca - Carretilha
História da Pesca – Carretilha

Fósseis de peixes encontrados durante escavações arqueológicas parecem mostrar que o Homo habilis e o Homo erectus foram os primeiros pescadores, cerca de 500 mil anos atrás. No entanto, a pesca provavelmente só se desenvolveu realmente após o surgimento do Homo sapiens durante o período paleolítico superior entre 40.000 e 10.000 anos a.C.

Muito pouco se sabe sobre as diferentes práticas de pesca. A pesca de subsistência na época consistia em pegar peixe manualmente ou usar ferramentas rudimentares feitas de materiais naturais dos quais nenhum traço permanece. Teria sido praticado principalmente por populações estabelecidas perto de lagos e rios. A lança, a rede, a linha e a haste parecem ter aparecido quase simultaneamente no Egito por volta de 3500 a.C. A pesca de subsistência mudou pouco ao longo dos séculos e algumas técnicas ainda são usadas hoje na pesca recreativa no ocidente.

Durante a antiguidade greco-romana, a pesca foi o tema principal do Halieutika, o mais antigo tratado sobre pesca marítima escrito pelo poeta Oppian de Corycus. Os romanos eram grandes consumidores e comerciantes dos recursos da bacia do Mediterrâneo. Eles pescavam principalmente usando diferentes tipos de redes. Como o princípio de refrigeração ainda não havia sido desenvolvido, o peixe que não era imediatamente ingerido era fermentado e transformado em garum, um condimento popular.

Durante a Idade Média na Europa, os senhores feudais possuíam rios e lagos. A pesca no rio era estritamente regulada e permitida para pessoas em comunidades religiosas cujas dietas eram pontuadas por períodos de jejum. No entanto, a partir de meados do século XI, a construção de lagoas se desenvolveu, anunciando o início da piscicultura.

A partir do século XV, a pesca marítima de alto mar e o comércio de peixe se expandiu. Os holandeses formavam frotas de salteadores de arenque que puxavam uma longa rede de deriva e podiam permanecer no mar por semanas. Eles foram fornecidos com provisões por barcos de carga que também trouxeram a captura de volta à costa.

Os primeiros barcos de arrasto apareceram na Grã-Bretanha no século XVII, mas a pesca de arrasto expandiu-se rapidamente no século XIX, quando as velas foram substituídas pela energia a vapor. Os barcos tornaram-se maiores e mais poderosos, permitindo-lhes puxar largas redes em águas profundas. O comércio de frutos do mar se intensificou. A pequena cidade inglesa de Grimsby tornou-se um dos principais centros de pesca comercial na Europa e era conectada por uma linha férrea direta ao Mercado de Peixe Billingsgate de Londres (o maior mercado de peixe do mundo naquela época).

Durante as duas Guerras Mundiais, alguns barcos de arrasto foram adaptados para serem usados ​​para varrer minas submarinas e foram armados para proteger a frota de pescadores de navios inimigos.

Quanto à pesca recreativa, no século XVIII a pesca com isca foi inicialmente reservada para as classes abastadas. Aos poucos, tornou-se mais acessível à medida que os avanços tecnológicos significavam que um equipamento melhor poderia ser produzido de forma relativamente barata. Para satisfazer os pescadores, espécies não-nativas foram introduzidas em certas regiões, como foi o caso das trutas na Austrália.

A evolução das varas de pesca

Evolução das Varas de Pesca - Carretilha
Evolução das Varas de Pesca – Carretilha

Nas décadas de 1950 e 1960, os pescadores usavam varas de pesca que “lançavam” uma isca na água. A alavanca de seu comprimento impulsionava a isca para frente e os pescadores confiaram que ela pousaria perto de onde eles quisessem. As varas de hoje são totalmente especializadas, projetadas para lançar, virar ou lançar com precisão uma grande variedade de tipos de iscas sob uma variedade de condições.

A engenharia séria e o desenvolvimento de varas de pesca começaram nos anos 70 com a popularidade da pesca em torneios. O equipamento mais popular para os pescadores de alto nível foi um Lew’s Speed ​​Stick e um Ambassadeur 5000C com linha monofilamento, geralmente Berkley Trilene ou Stren Clear.

O equipamento Speed ​​Stick / 5000C foi um exemplo de beleza bruta, com sua vara de fibra de vidro preta, carretel preto brilhante redondo, guias de linha Fuji pretos e uma pistola de borracha preta. A aparência não decepcionou porque eles serviram bem os pescadores com anos de pescaria difícil.

Uma das primeiras varas de fibra de vidro oferecidas em três pontos fortes ou potências – leve, médio e pesado -, Lew foi um ponto de virada no design das varas. Eles realmente “lançam” uma isca com controle. Depois que o inventor Lew Childre morreu em um acidente de avião em 1977, os Speed ​​Sticks começaram a perder popularidade, porém introduziram três modelos de grafite de qualidade nas categorias leve, média e pesada.

Sob nova proprietário desde 2009, a Lew’s está contando com a entrada de pescadores e inovações tecnológicas para impulsionar o desenvolvimento das varas, seguindo um processo similar usado para trazer seus carretéis de volta à proeminência do mercado.

Outros fabricantes estão aumentando seu repertório de varas, atendendo às necessidades dos pescadores, desenvolvendo várias categorias de comprimentos, estilo e rigidez. Novatos como o Carbon X estão trazendo suas próprias ideias e pontos fortes para a indústria. O desafio deles era construir uma ferramenta de pesca melhor, que oferecesse o melhor desempenho que os pescadores queriam, o que levou à criação do Action Forward Design. A combinação do Action Forward Design com espaços em branco especificamente projetados para esse conceito oferece aos pescadores a vantagem de ter mais barras usáveis ​​na frente do assento do molinete, adicionando alavancagem e velocidade ao conjunto de ganchos.

Em 1948, os co-fundadores da St. Croix, Bob e Bill Johnson, decidiram construir e vender redes de aterrissagem. Suas redes de qualidade, com alças de cedro, aros de cinzas e redes costuradas à mão, eram muito caras para a maioria dos esportistas. Uma sessão de brainstorming salvou a empresa. Examinando uma exibição de varas de pesca de cana, os irmãos decidiram modificá-los para torná-los portáteis. Eles cortaram os polos em três comprimentos mais curtos e os equiparam com ponteiras de latão. Um comerciante de hardware local imediatamente encomendou 500 varas e a St. Croix Rod Company nasceu.

Na década de 1950, eles produziram e comercializaram a primeira vara de fibra de vidro com a cor moldada na vara em vez de pintada nela – e o restante, como dizem, é história. Embora a tendência tenha sido um método específico para a maioria dos fabricantes, a St. Croix quase redefiniu esse processo com 22 séries diferentes para tudo, de muskies a pesca no gelo, incluindo nove novos modelos para 2015, mantendo sua série Legend Extreme, um vencedor do ICAST 2012 Rod de água doce.

Partes da vara de pesca

Partes da Vara de Pesca - Carretilha
Partes da Vara de Pesca – Carretilha

As varas de pesca são, obviamente, diferentes entre si, com desings específicos dependendo de marca e necessidades, além de opções para quem vai utilizar apenas como diversão, que são diferentes daqueles que usam de forma mais séria e profissional. Apesar disso, existem algumas partes das varas que podem ser definidas e explicadas. Abaixo estão elas: Blank: Também chamado de cânula, a forma de confecção é que determina a ação da vara: lenta, média, média rápida, rápida e extra rápida. É responsável pelo poder da vara, ou seja, a quantidade de esforço que ela suporta.

Winding Check: anel de borracha ou metal que tem duas funções. Ele suavisa o afunilamento do “foregrip” em direção ao blank, beneficiando a aerodinâmica do conjunto, além de dar melhor acabamento à vara. Foregrip: o foregrip, já citado anteriormente, é a parte da frente do cabo, que pode ser fixa, sendo apoio no trabalho da vara, além de fixar o molinete ou a carretilha. Reel Seat: tendo vários formatos, também atua na fixação de molinete ou da carretilha. Pode ser independente do foregrip ou rosqueável.

Reagrip: Também conhecido como cabo, mas na verdade é apenas um de seus componentes, já que o cabo leva consigo todas essas partes já mencionadas aqui, além do butcap, que falaremos agora. Butcap: confeccionada em EVA, essa peça é discreta, mas tem grande importância nas varas de pesca. É também um item fundamental no acabamento do cabo. Ele evita o choque entre o blank e o chão quando a vara de pesca está de pé. Caso contrário, trincas aconteceriam cada vez mais. Ajuda também a vara a não acumular nenhum tipo de sujeira, como umidade, areia, entre outros.

Carretilha

Carretilha
Carretilha

Uma carretilha é um dispositivo cilíndrico ligado a uma vara de pesca utilizada na linha de enrolamento e arrumação. Carretilhas modernas geralmente têm encaixes na fundição de distância e precisão, bem como a linha de recuperação. Carretilhas de pesca são tradicionalmente usadas no esporte recreativo de pesca e seleção de elenco competitivo. Eles são tipicamente presos a uma vara de pescar, embora algumas bobinas especializadas sejam montadas diretamente em vales ou em troncos.

A carretilha na dinastia Song da China, onde a primeira ilustração conhecida é de pinturas e registros chineses que começaram por volta de 1195 d.C. As carretilhas apareceram pela primeira vez na Inglaterra por volta de 1650 d.C e, na década de 1760, as lojas de artigos de papelaria em Londres estavam anunciando carretéis multiplicadores ou recuperados por engrenagens. A primeira carretilha de pesca popular americano apareceu nos EUA por volta de 1820.

Pesca em carretilhas e molinetes

Após vários avanços, criaram-se o carretel às varas. O aperfeiçoamento começou nos anos de 1810, criada por um relojeiro que pensou em um sistema de voltas nas manivelas equivalentes a 3 voltas no tambor. Assim, a linha era armazenada em maior quantidade, fomentando ao pescador uma maior agilidade na hora de recolher a espécie do seu hábitat natural. O invento ficou conhecido como molinete multiplicador.

Essa ferramenta ganhou aprimoramento: o freio. No início era feito com tira de couro, porém, não era vantagem para peixes maiores e, por isso, criou-se, no século XX, o sistema de freio de ficção a disco. O tambor é considerado um dos mais eficientes do mercado que fomentou o estilo de pesca que temos na atualidade, a pesca em até mil quilos.

Pesca em colheita e arpões A pesca em colheita não se restringe apenas as espécies dos peixes. Este tipo de pesca, nos tempos atuais, é realizada especialmente por biólogos marinhos. Ela é feita, geralmente, em mergulhos marinhos. Já a pesca em arpões é feita da mesma forma do que a de colheita, mas é importante datar que ela é uma evolução das pescas em lanças e espetos que, antigamente, era realizada por populações indígenas.

 

Leave a comment