Praça Raul Soares, 85 - Belo Horizonte - MG (31) 3292-7257 (31) 9.9357-1951
Iluminismo

Iluminismo: Tudo sobre o movimento

O Iluminismo foi um amplo movimento intelectual, filosófico, cultural e social que se espalhou pela Inglaterra, França, Alemanha e outras partes da Europa durante o século XVIII. Possibilitado pela Revolução Científica, que começara em 1500, o Iluminismo representou o maior afastamento possível da Idade Média – o período da história europeia que durou de aproximadamente o quinto ao décimo quinto século.

No artigo a seguir você encontrará os seguintes tópicos:

  • Contexto e causas do surgimento do iluminismo;
  • Principais nomes do iluminismo;
  • Principais temas do Iluminismo;

Iluminismo – Tudo Sobre

Iluminismo - Nomes
Iluminismo

O milênio da Idade Média foi marcado por devoção religiosa inabalável e crueldade insondável. Raramente antes ou depois, a Igreja teve tanto poder quanto durante esses mil anos. Com o Sacro Império Romano como base, missões como as Cruzadas e a Inquisição foram conduzidas em parte para encontrar e perseguir hereges, muitas vezes com tortura e morte.

A ciência, embora encorajada no final da Idade Média como uma forma de piedade e apreciação da criação de Deus, era frequentemente considerada heresia, e aqueles que tentavam explicar milagres e outras questões de fé enfrentavam duras punições. A sociedade era altamente hierárquica, com a servidão sendo uma prática generalizada. Não havia mandatos sobre liberdades ou direitos pessoais, e muitos europeus temiam a religião – ou nas mãos de um Deus impiedoso ou nas mãos da própria Igreja às vezes brutal.

Revolução Científica e Iluminismo

A Revolução Científica e o Iluminismo, no entanto, abriram um caminho para o pensamento independente, e os campos da matemática, astronomia, física, política, economia, filosofia e medicina foram drasticamente atualizados e expandidos.

Quer considerado do ponto de vista intelectual, político ou social, os avanços do Iluminismo transformaram o mundo ocidental em uma civilização mais inteligente e autoconsciente. Além disso, inspirou diretamente a criação da primeira grande democracia do mundo, os Estados Unidos da América.

As ideias, obras e princípios do Iluminismo continuariam a afetar a Europa e o resto do mundo ocidental por décadas e até séculos vindouros. Quase toda teoria ou fato que é mantido na ciência moderna tem uma fundação no Iluminismo; De fato, muitos permanecem exatamente como foram estabelecidos. No entanto, não é simplesmente o conhecimento alcançado durante o Iluminismo que torna a época tão essencial – também é inovadora abordagem da época para a investigação, o raciocínio e a resolução de problemas.

Contexto e causas do surgimento do iluminismo

Iluminismo

Basicamente, a causa mais aparente do Iluminismo foi a Guerra dos Trinta Anos. Essa guerra amplamente destrutiva, que durou de 1618 a 1648, obrigou os escritores alemães a produzir duras críticas a respeito das ideias de nacionalismo e guerra. Esses autores, como Hugo Grotius e John Comenius, foram algumas das primeiras mentes do Iluminismo a ir contra a tradição e propor melhores soluções.

Ao mesmo tempo, o interesse dos pensadores europeus pelo mundo tangível tornou-se um estudo científico, enquanto uma maior exploração do mundo expôs a Europa a outras culturas e filosofias. Finalmente, séculos de autoritarismo nas mãos das monarquias e da igreja trouxeram os cidadãos comuns da Europa a um ponto de ruptura, e os mais proeminentes e vocais finalmente decidiram falar.

Principais nomes do iluminismo

Iluminismo - Nomes
Iluminismo – Nomes

Francis Bacon (1561–1626)

Um filósofo e estadista inglês que desenvolveu o método indutivo ou método baconiano de investigação científica, que enfatiza a observação e o raciocínio como um meio para chegar a conclusões gerais. O trabalho de Bacon influenciou seu posterior contemporâneo René Descartes.

René Descartes (1596–1650)

Um filósofo e cientista francês que revolucionou a álgebra e a geometria e fez a famosa declaração filosófica “Penso, logo existo”. Descartes desenvolveu uma abordagem dedutiva da filosofia usando um padrão de matemática e lógica que ainda permanece um padrão para a solução de problemas.

Denis Diderot (1713–1784)

Um estudioso francês que foi o principal editor da Encyclopédie, uma compilação massiva de trinta e cinco volumes de conhecimento humano nas artes e ciências, juntamente com comentários de vários pensadores do Iluminismo. A Enciclopédia se tornou um símbolo proeminente do Iluminismo e ajudou a espalhar o movimento pela Europa.

Benjamin Franklin (1706–1790)

Pensador, diplomata e inventor americano que viajou frequentemente entre as colônias americanas e a Europa durante o Iluminismo e facilitou uma troca de ideias entre eles. Franklin exerceu profunda influência na formação do novo governo dos Estados Unidos, com uma grande atuação na Declaração da Independência e na Constituição dos EUA.

Thomas Hobbes (1588–1679)

Um filósofo e teórico político cujo tratado de 1651 Leviatã efetivamente deu o pontapé inicial no Iluminismo inglês. O controverso Leviathan detalhou a teoria de Hobbes de que todos os seres humanos são inerentemente auto-dirigidos e maus e que a melhor forma de governo é, portanto, um monarca todo-poderoso para manter tudo em ordem.

David Hume (1711–1776)

Um filósofo escocês e uma das figuras mais proeminentes no campo do ceticismo durante o Iluminismo. Hume criticou a religião e até sugeriu que nossos sentidos são falíveis, colocando em questão todas as observações e verdades. O ceticismo de Hume provou ser muito influente para outros pensadores, como Immanuel Kant, e foi fundamental na mudança do pensamento racionalista que acabou com o Iluminismo.

Immanuel Kant (1724-1804)

Um filósofo cético alemão que levou a escola de pensamento a um nível ainda mais alto. Kant teorizou que todos os seres humanos nascem com “experiências” inatas que então refletem sobre o mundo, dando-lhes uma perspectiva. Assim, como ninguém realmente sabe o que as outras pessoas veem a ideia de “raciocínio” não é válida. As filosofias de Kant aplicaram os freios ao Iluminismo, efetivamente denunciando a razão como uma abordagem inválida do pensamento.

John Locke (1632–1704)

Um teórico político inglês que se concentrou na estrutura dos governos. Locke acreditava que os homens são todos racionais e capazes, mas devem comprometer algumas de suas crenças no interesse de formar um governo para o povo. Em seus famosos Dois Tratados do Governo (1690), ele defendeu a ideia de um governo representativo que melhor serviria a todos os constituintes.

Montesquieu (1689–1755)

O principal pensador político francês do Iluminismo, cujo livro mais influente, O Espírito das Leis, expandiu o estudo político de John Locke e incorporou as ideias de uma divisão de Estado e separação de poderes. O trabalho de Montesquieu também se aventurou na sociologia.

Sir Isaac Newton (1642-1727)

Um estudioso e matemático inglês considerado como o pai da ciência física. As descobertas de Newton ancoraram a Revolução Científica e prepararam o palco para tudo o que se seguiu em matemática e física. Recebeu o crédito pela criação do cálculo, e seu Philosophiae Naturalis Principia Mathematica introduziu o mundo à gravidade e às leis fundamentais do movimento.

Jean-Jacques Rousseau (1712–1778)

Um pensador suíço-francês eclético que trouxe sua própria abordagem ao Iluminismo, acreditando que o homem estava em seu melhor momento quando não se deixava levar pelas convenções da sociedade. A Epopeia de Rousseau, “O Contrato Social” (1762), concebeu um sistema de democracia direta em que todos os cidadãos contribuem para uma “vontade geral” abrangente que serve a todos de uma só vez.

Adam Smith (1723–1790)

Um influente economista escocês que se opôs aos sistemas mercantilistas sufocantes que existiam no final do século XVIII. Em resposta, Smith escreveu a seminal “Riqueza das Nações” (1776), uma dissertação criticando o mercantilismo e descrevendo os muitos méritos de um sistema de livre comércio.

Voltaire (1694–1778)

Um escritor francês e o principal satírico do Iluminismo, que criticou a religião e liderou as filosofias da época. As numerosas peças e ensaios de Voltaire frequentemente defendiam a liberdade dos estratagemas da religião, enquanto “Cândido” (1759), o mais notável de seus trabalhos, transmitiu suas críticas ao otimismo e à superstição em um belo pacote.

Principais temas do Iluminismo

Iluminismo Temas
Iluminismo Temas

Revolução Francesa

Revolução na França que derrubou a monarquia e é frequentemente citada como o fim do Iluminismo. A Revolução Francesa começou em 1789, quando o rei Luís XVI convocou a legislatura na tentativa de resolver os monumentais problemas financeiros da França.

Em vez disso, a população massiva se revoltou e estabeleceu seu próprio governo. Embora esse novo governo tenha sido efetivo por alguns anos, a dissensão interna cresceu e o poder mudou de mãos repetidamente, até que a França mergulhou no brutalmente violento Reino do Terror de 1793–1794. Os críticos viam essa violência como resultado direto do pensamento iluminista e como evidência de que as massas não estavam em condições de governar a si mesmas.

Revolução Gloriosa

O nome dado ao golpe de estado sem sangue na Inglaterra em 1688, em que o monarca católico, o rei Jaime II, foi removido do trono e substituído pelos protestantes Guilherme e Maria. Os novos monarcas não apenas mudaram o curso religioso da Inglaterra e a ideia do direito divino, mas também permitiram que as liberdades pessoais adicionais necessárias para o Iluminismo realmente florescessem.

Individualismo

Uma das pedras angulares do Iluminismo, uma filosofia que enfatiza o reconhecimento de cada pessoa como um indivíduo valioso com direitos inomináveis ​​e inalienáveis.

Mercantilismo

A crença econômica de que uma balança comercial favorável – isto é, mais exportações do que importações – renderia mais riqueza e poder totais, para um país. Os governos tendiam a monitorar e se intrometer com seus sistemas mercantilistas de perto, o que o economista escocês Adam Smith denunciou como má prática econômica em sua Riqueza das Nações.

Racionalismo

Indiscutivelmente a fundação do Iluminismo, a crença de que, usando o poder da razão, os humanos poderiam chegar à verdade e melhorar a vida humana.

Relativismo

Outra filosofia fundamental do Iluminismo, que declarou que diferentes idéias, culturas e crenças tinham igual mérito. O relativismo se desenvolveu em reação à era da exploração, que aumentou a exposição européia a uma variedade de povos e culturas em todo o mundo.

Romantismo

Um movimento que surgiu perto do final do Iluminismo, que colocou ênfase nas emoções e instintos inatos, em vez da razão, bem como nas virtudes de existir em um estado natural. Escritores como Jean-Jacques Rousseau e Johann Wolfgang von Goethe contribuíram muito para o desenvolvimento do romantismo.

Revolução Científica

Um desenvolvimento gradual de pensamento e abordagens para o estudo do universo que ocorreu de aproximadamente 1500 a 1700 e abriu o caminho para o Iluminismo. Vindo de origens humildes com observações básicas, a Revolução Científica chegou a um ponto febril quando cientistas como Galileu Galilei, René Descartes e Johannes Kepler entraram em cena e essencialmente reescreveram a história, refutando as doutrinas da Igreja, explicando “milagres” religiosos e estabelecendo mundo direto em todos os tipos de princípios científicos.

O resultado não foi apenas o novo conhecimento humano, mas também uma nova perspectiva sobre a aquisição de conhecimento, como o método científico.

Separação de poder

Uma ideia política, desenvolvida por John Locke e Barão de Montesquieu, de que o poder no governo deveria ser dividido em ramos separados – tipicamente legislativo, judicial e executivo – a fim de garantir que nenhum ramo de um órgão governamental possa ganhar autoridade demais.

Ceticismo

Um movimento filosófico que emergiu em resposta ao racionalismo e sustentou que a percepção humana é muito relativa para ser considerada credível. David Hume colocou o ceticismo no centro das atenções sugerindo que as percepções humanas não são confiáveis, e então Immanuel Kant elevou o campo quando propôs que os humanos nascem com “experiências” inatas que dão forma a seus próprios mundos individuais.

Contrato Social

Uma ideia em filosofia política, geralmente associada a John Locke e Jean- Jacques Rousseau, afirmando que um governo e seus súditos entram em um contrato implícito quando esse governo toma o poder. Em troca de ceder algumas liberdades ao governo e suas leis estabelecidas, os sujeitos esperam e exigem proteção mútua. A autoridade do governo, enquanto isso, reside apenas no consentimento dos governados.

Guerra de trinta anos

Um conflito brutal e destrutivo na Alemanha entre 1618 e 1648. A Guerra dos Trinta Anos começou quando os protestantes boêmios se revoltaram por se recusarem a ser governados por um rei católico.

A batalha acabaria por se espalhar por toda a Alemanha e envolver muitos outros países em ambos os lados, resultando na morte de quase um terço da população alemã e destruição insondável. Pensadores iluministas como John Comenius e Hugo Grotius reagiram contra a guerra com tratados sobre educação, relações internacionais e a própria natureza da guerra.

 

Leave a comment